Custos com casa são mais de metade do orçamento? Saiba como diminuir o impacto

Custos com casa são mais de metade do orçamento? Saiba como diminuir o impacto

Segundo dados divulgados, os custos com a casa durante 2022 e 2023 foram mais de metade dos orçamentos familiares. Como podemos diminuir o impacto destes custos? Saiba, neste artigo. 

29 Dec 20233 min

Gostou do que leu? Partilhe!

Quer saber como baixar os encargos com o seu financiamento hipotecário? Contacte já os intermediários de crédito da Poupança no Minuto! Ou leia primeiro os dados em questão e que opções tem para um menor impacto dos custos com habitação no seu orçamento. 

Encargos com casa representam dois terços do orçamento familiar 

Segundo resultados provisórios do Inquérito às Despesas das Famílias 2022/2023, divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), e citado pelo Notícias ao Minuto, os encargos com a casa representaram dois terços dos orçamentos familiares

A nível de valores, a despesa anual média das famílias, em 2022/2023, foi de 24.190 euros, sendo que cerca de dois terços da despesa média das famílias se referem a encargos associados à casa (39,1%). 

“À escala das regiões NUTS II, a despesa anual média foi mais elevada na região Norte (25.057 euros), mas também superava a média nacional na Área Metropolitana de Lisboa e na Região Autónoma da Madeira. Pelo contrário, a despesa média regional mais baixa foi observada na Região Autónoma dos Açores (20.439 euros), que também apresenta o perfil regional de despesa mais distante da média nacional”, cita a notícia. 

As famílias com maiores gastos foram, claro as com dependentes na sua composição familiar - “agregados com crianças dependentes gastam anualmente, em média, mais 8.861 euros do que os agregados familiares sem crianças dependentes, o que se traduz numa despesa mensal média superior em 738 euros. Esta diferença é extensível a todas as Divisões da COICOP (Classificação do consumo individual por objetivo)”. 

Como diminuir o impacto dos custos com a casa no orçamento? 

Ao ter um crédito habitação, as despesas mensais podem ser significativas. Se, ao longo de 2022 e 2023, teve o seu financiamento da casa com uma taxa variável indexado à Euribor, ainda mais significativo foi o impacto no seu orçamento. 

Com a constante subida das taxas de juro desde fevereiro de 2022, que levou à subida das taxas Euribor, a prestação mensal dos portugueses com regime de taxa variável no crédito habitação tem (drasticamente) aumentado também. 

O que leva à conclusão dos dados acima apresentados. Mas existem opções que podem ajudar a diminuir a prestação mensal que paga pelo crédito. 

Se não tem mais capacidade de suportar os custos com o crédito da casa, pode renegociar as condições do financiamento junto do seu banco. Para isso, o banco pode apresentar-lhe um valor mais baixo de prestação, em troca da contratação de outros produtos.  

Caso analise as novas condições e considere que não compensem, saiba que ainda tem a opção de transferir o crédito para outro banco. Um novo banco pode proporcionar-lhe um regime de taxa diferente, como uma taxa fixa ou uma taxa mista, a valores mais baixos. Para perceber: há bancos a oferecer taxas mistas a partir de 2%, se fixar a taxa por um ano, enquanto as taxas Euribor se encontram perto de 4%. 

Para qualquer uma destas opções, é importante estar acompanhado e ser aconselhado. Um intermediário de crédito, como os da Poupança no Minuto, pode auxiliá-lo (sem qualquer custo), a comprar as propostas de diferentes bancos e a escolher a mais adequada a si para constituir uma nova hipoteca. Contacte-nos e fique a saber como o podemos ajudar! 

Newsletter

Assine a nossa newsletter e não perca nenhum conteúdo.



Crédito habitação