Taxas máximas nos créditos vão subir em 2024: Como encontrar as mais baixas?

Taxas máximas nos créditos vão subir em 2024: Como encontrar as mais baixas?

As taxas máximas nos créditos vão ser mais altas no primeiro trimestre do próximo ano. Então, como aceder às propostas com taxas mais baixas? Saiba, neste artigo. 

21 Dec 20233 min

Gostou do que leu? Partilhe!

Necessita dos serviços de um intermediário de crédito? Fale com a Poupança no Minuto, sem compromisso e sem custos! Mas perceba antes que valores de taxas estão em causa e como aceder aos mais baixos. 

Taxas máximas dos créditos aos consumidores mais altas em 2024 

Segundo notícia do Notícias ao Minuto, o Banco de Portugal (BdP) anunciou que as taxas máximas dos créditos aos consumidores vão subir no primeiro trimestre de 2024. 

“De acordo com a informação hoje publicada no 'site' do supervisor financeiro, todos os tipos de contratos vão ter um aumento das taxas máximas, à exceção da locação financeira ou ALD - Aluguer de longa duração (usados) de crédito automóvel, que se mantém estável em 6,5%, no primeiro trimestre de 2024 face ao último trimestre de 2023”, pode ler-se na notícia. 

Porém, a taxa máxima que será aplicada aos cartões de crédito, linhas de crédito, correntes bancárias e facilidades de descoberto vai ser de 18,6%, comparando com os 17,9% atuais (quarto trimestre de 2023). 

Relativamente a outros tipos de crédito, o aumento refletir-se-á da seguinte forma: 

  • Crédito automóvel – de 10,7% para 11,1% (nos casos de reserva de propriedade e outros, novos), e de 13,5% para 14% (no caso dos usados); 
  • Locação financeira ou ALD, aluguer de longa duração (novos) – de 5,3% para 6,1%; 
  • Crédito pessoal, com finalidade de educação, saúde, energias renováveis e locação financeira de equipamentos – de 7,6% para 7,7%; 
  • Outros créditos pessoais sem finalidade – de 14,8% para 15,2%; 

Como são definidas estas taxas, consoante o tipo de crédito? 

Estas taxas são determinadas por trimestres, pelo Banco de Portugal, considerando as Taxas Anuais de Encargos Globais (TAEG) médias praticadas no mercado pelos bancos no trimestre anterior, acrescidas de um quarto. Note que “as taxas não podem exceder a TAEG média da totalidade dos contratos de crédito aos consumidores acrescida de 50%”, explica o regulador, de acordo com a notícia. 

Além disso, o regime de taxas máximas prevê que “a TAEG máxima dos contratos de facilidade de descoberto com obrigação de reembolso no prazo de um mês e que a Taxa Anual Nominal (TAN) máxima das ultrapassagens de crédito sejam iguais à TAEG máxima definida para os contratos de crédito sob a forma de facilidade de descoberto com prazo de reembolso superior a um mês”, pode ainda ler-se o conselho do BdP. 

Encontrar as taxas mais baixas nos créditos 

Então, no momento de contratar um crédito, como encontrar as taxas mais baixas? Requerendo propostas a vários bancos e fazendo a comparação entre simulações. 

Para este processo, pode fazer sentido aceder a um intermediário de crédito, como a Poupança no Minuto. Os intermediários de crédito relacionam-se com bancos parceiros, e mediam todo o processo e comunicação entre o cliente e as instituições. 

O primeiro passo é terem acesso às diferentes propostas pedidas, consoante as condições do cliente específico, e depois ajudá-lo e aconselhá-lo na comparação entre as várias, e na decisão final. 

Ao comparar os custos entre os bancos, consegue saber qual o que tem as taxas mais baixas, e as condições mais adequadas a si. 

Quer falar com um intermediário de crédito? Contacte a Poupança no Minuto e aceda a um serviço gratuito e personalizado! 

Newsletter

Assine a nossa newsletter e não perca nenhum conteúdo.



Crédito habitação