Taxa de esforço média no crédito habitação era (significativamente) menor em 2021

Taxa de esforço média no crédito habitação era (significativamente) menor em 2021

Em 2021, os valores da taxa de esforço eram, significativamente, mais baixos do que agora. Quais os valores nesse ano, comparando com os de atualmente? Veja por si. 

15 Dec 20233 min

Gostou do que leu? Partilhe!

Uma taxa de esforço baixa é o que procura? Saiba como baixar as suas prestações de crédito, recorrendo a um intermediário da Poupança no Minuto. Mas leia, primeiro, os dados em causa.   

Qual o valor mediado da taxa de esforço em 2021? 

De acordo com valores medianos divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística e citados pelo Notícias ao Minuto, pode concluir-se que o valor da taxa de esforço média com o crédito habitação permanente foi de 12,78, considerando 130 municípios nas regiões Norte, Centro e Algarve. 

Além de serem considerados valores mediados superiores à referência nacional, nada se comparam com a atual situação das taxas de esforço em financiamentos hipotecários. 

Vejamos, primeiro, os valores referentes a 2021: 

  • A taxa de esforço média mais alta pertenceu ao município de Albufeira – 16,45%; 
  • 20% dos mutuários com as taxas de esforço mais elevadas destinavam 1/5 dos seus rendimentos em prestações de crédito para habitação; 
  • O valor mediano da taxa de esforço neste crédito era mais elevado em mutuários com 34 ou menos anos de idade – 14,15%; 
  • E o valor mediano da taxa de esforço do crédito habitação era de 19,40% a nível nacional. 

Mas, afinal, o que é a taxa de esforço e quais os valores recomendados? 

Relembre-se de que a taxa de esforço representa o peso do encargo com prestações de créditos face aos rendimentos mensais recebidos num orçamento mensal. Ou seja, para calcular a taxa de esforço é aplicada a seguinte fórmula: 

Taxa de esforço = (Prestações de crédito/Rendimentos mensais) x 100 

Então, para calcular a taxa de esforço, deve ter em conta as várias prestações de crédito que paga, seja de crédito habitação, automóvel, pessoal ou até mesmo cartão de crédito.  

Dentro dos rendimentos mensais que se recebe, o que se deve ter em conta é o salário líquido, em caso de trabalhador por conta de outrem, rendas recebidas, se for proprietário de imóveis arrendados, pensões ou outros rendimentos fixos que sejam declarados em IRS. 

Para compreender melhor os valores apontados acima, vejamos quais as recomendações, atualmente, estabelecidas pelo Banco de Portugal:  

  • Quando a taxa for até 30% considera-se ideal máxima; 
  • Quando a taxa se encontrar entre 30% e 34% considera-se ideal; 
  • Quando a taxa estiver entre 35% e 40% já se considera elevada; 
  • E quando a taxa ultrapassar os 40% é considerada muito elevada. 

Os valores ideias são, hoje em dia, cada vez mais difíceis de atingir pelo contexto atual que atravessamos de inflação, aumento de preços, e aumento das taxas de juro que levam ao aumento das taxas Euribor ligadas ao crédito habitação. 

Com os altos valores em que se encontram as taxas Euribor, qualquer mutuário que tenha um crédito habitação com taxa variável indexada à Euribor, continua a ver a sua prestação mensal a aumentar

Mas sabia que é possível fugir desta situação? Se efetuar uma transferência de crédito, pode ter acesso a campanhas que os bancos estão a promover de taxas fixas e mistas. Com estas opções, além de conseguir maior estabilidade e segurança pois a taxa não se altera, consegue valores mais baixos e, por conseguinte, poupar na sua prestação mensal do crédito

Se está interessado nesta opção, contacte os intermediários de crédito da Poupança no Minuto! Oferecemos um serviço gratuito, e ajudamo-lo ao longo de todo o processo de forma rápida e personalizada. Tratamos de tudo por si, e ainda acede à proposta de crédito mais adequada a si! 

    Newsletter

    Assine a nossa newsletter e não perca nenhum conteúdo.



    Crédito habitação