Poupar mais de 1.300 euros por ano? Experimente a estratégia das 52 semanas

Poupar mais de 1.300 euros por ano? Experimente a estratégia das 52 semanas

Precisa de poupar dinheiro em 2024, para uma maior margem no seu orçamento familiar mensal, ou para um projeto futuro? Existem várias estratégias a que pode recorrer, como o desafio das 52 semanas. Já ouviu falar? Saiba como funciona, em seguida. 

15 Jan 20244 min

Gostou do que leu? Partilhe!

Se tiver créditos e seguros, também pode tentar rever as condições dos contratos junto das entidades contratantes. Contacte a Poupança no Minuto e, com a ajuda gratuita de um intermediário de crédito, fique a saber quais as opções indicadas para si. Mas perceba, primeiro, o que é e como aplicar a estratégia das 52 semanas. 

Como aplicar a estratégia de poupança das 52 semanas? 

Quer começar o ano a pôr algum dinheiro de parte, sem notar o impacto na sua carteira? A estratégia das 52 semanas é ideal para esse objetivo: ajuda-o a poupar um certo valor por cada semana do ano, que vai aumentando, e que, anualmente, acaba por se tornar num valor com significado. Portanto, se procura começar a poupar para um projeto futuro, para amortizar créditos, ou para uma maior folga orçamental, repare no procedimento desta estratégia. 

Este desafio acarreta pouca dificuldade, cuja vai, no entanto, acrescendo ao longo dos meses do ano. Isto porque, o valor que vai colocando de parte vai aumentando de semana a semana. Pode ser um bom hábito a ganhar para atingir disciplina financeira

A estratégia não precisava de ser levada, exatamente, à regra. Desde que se retire parte dos rendimentos mensais, de forma crescente, por semana, de janeiro a dezembro, está aplicado o desafio das 52 semanas. Este é o número de semanas que um ano tem

Por norma, retira-se 1 euro em janeiro, 2 euros em fevereiro, 3 euros em março, e por aí adiante. Se cumprir este desafio com este estratagema, acaba o ano a poupar um valor acumulado exato de 1.378 euros

Se reparar, não é uma estratégia muito complicada de seguir, pois o máximo que tem de colocar de parte são 52 euros na última semana do ano. Por isso, não é um valor desafiante, mas que faz com que consiga poupar um valor com impacto ao final de um ano completo. 

Fonte: Elinaudo Barbosa

Com que desafios me posso deparar? 

O maior desafio que pode encontrar é lembrar-se de ir colocando de parte semanalmente o valor estipulado para esse período, pelo que vai exigir atenção e dedicação da sua parte. Para isso, pode colocar um lembrete no telemóvel, por forma a não lhe escapar. Para que não tenha tanto trabalho, pode até somar o valor das semanas ao mês, e colocar de parte mensalmente. 

Ou seja, nas primeiras 4 semanas o valor a colocar de parte será: 1.ª semana – 1 euro, 2.ª semana – 2 euros, 3.ª semana – 3 euros, e 4.ª semana – 4 euros, o que equivalerá a um total de 10 euros no primeiro mês

Outra questão que pode surgir é onde colocar o dinheiro poupado: deve ser um local seguro e de mais difícil acesso, para não ter a tentação de ir resgatar o dinheiro antes do tempo. Algumas ideias poderão passar por, simplesmente, colocar numa conta poupança ou noutra conta bancária à parte da sua, depois pode investir, colocando o valor num plano-poupança reforma (PPR), ou em certificados de aforro, ou (à forma antiga) levantar o dinheiro e colocá-lo num cofre, mealheiro ou até debaixo do colchão.  

Para que possa encontrar esta poupança e colocá-la de parte, pode optar por revisitar contratos que tenha de créditos e/ou seguros. Para isso, dirija-se ao seu banco e perceba se é possível renegociar as condições dos produtos. Caso as novas condições apresentadas não o satisfaçam, sempre pode transferir o produto para uma nova entidade. Para isso, pode contar com a ajuda gratuita de um intermediário de crédito da Poupança no Minuto, que pode apresentar-lhe novas propostas com condições mais vantajosas do que as que tem agora!

Fale connosco para o ajudarmos, de forma totalmente gratuita, baixe as prestações dos seus contrato e garanta uma nova poupança para o seu próximo projeto!

Newsletter

Assine a nossa newsletter e não perca nenhum conteúdo.



Crédito habitação