Dificuldade em pagar casa aumenta: Como baixar prestação do crédito?

Dificuldade em pagar casa aumenta: Como baixar prestação do crédito?

A dificuldade em pagar casa por parte dos portugueses tem aumentado com o contexto de subida de taxas de juro e inflacionista que atravessamos. Em tempos como este, saiba como baixar a prestação do seu crédito habitação. 

24 Nov 20235 min

Gostou do que leu? Partilhe!

Baixar a prestação do seu crédito habitação é mais fácil com os intermediários de crédito da Poupança no Minuto... fale connosco para simularmos o seu caso. Ou perceba primeiro os dados analisados sobre a dificuldade para pagar as despesas da habitação, em seguida. 

Seis em cada 10 portugueses têm dificuldade em pagar a casa 

De acordo com o Notícias ao Minuto, um barómetro da Fundação Francisco Manuel dos Santos apurou que, atualmente, seis em cada 10 pessoas têm dificuldade em pagar mensalmente a casa, e dois terços em reparar ou melhorar necessidades urgentes na sua habitação.  

O barómetro em causa – da Habitação – incluiu 1.086 pessoas, com uma amostra representativa da população portuguesa, e teve como objetivo analisar a crise da habitação em Portugal para “mais e melhores dados sobre as condições em que as famílias vivem, as necessidades e dificuldades que enfrentam, e as suas perceções e convicções”, como se pode ler na notícia. 

Segundo nota da FFMS, citada pela Lusa no Notícias ao Minuto, “a população inquirida reside, em média, há 20 anos na habitação atual e, em termos de regime de ocupação de alojamento, a maioria vive em casa própria (66,4%), sendo que 31,2% destes, com empréstimo”. 

Sobre os custos médios mensais dos inquiridos, com os seus empréstimos habitação ou renda, “não obstante fortes diferenças regionais, os agregados com custos (51%) despendem, em média, 573 euros mensais fixos com o empréstimo ou a renda”.  

O relatório em questão acaba por concluir que são 62% os agregados que sentem alguma dificuldade em pagar as suas despesas mensais com a habitação, ou seja, seis em cada 10 pessoas, e 13% os que sentem uma grande dificuldade.  

Porém, cerca de 80% dos inquiridos encontra-se satisfeito com as casas, mas dois terços assumem necessitar de reparações ou melhorias urgentes na sua propriedade.  

Apurou-se ainda que um em cada nove dos inquiridos teme “estar em risco de perder a sua casa nos próximos cinco anos, pelo aumento da renda ou da prestação do crédito à habitação (50%) ou por iniciativa do senhorio (28%)". 

Perante as consequências que advêm desta dificuldade, um em cada quatro inquiridos refere que “o acesso à habitação já condicionou decisões de vida, com uma média de duas decisões de vida condicionadas”. Sendo que as decisões em causa passam, nomeadamente, pela dificuldade em mudar de residência (34,9%), sair de casa dos pais (31,5%), juntar-se com o companheiro (25,7%). 

Como baixar a prestação do crédito? 

Existem algumas formas para baixar a prestação mensal do seu crédito habitação. Além de poder conferir se é elegível para aderir às medidas de apoio à habitação do Governo, tem opções como a renegociação de condições, transferência do empréstimo para outro banco, ou transferência dos seguros associados ao crédito para outra seguradora.  

Relembremos, primeiro, as medidas que estão, atualmente, em vigor:  

  • Fixar e reduzir a prestação mensal: Até ao final de março de 2024, se tem um crédito para habitação própria e permanente com taxa variável (ou mista em período de variável), celebrado antes de 15 de março, com prazo residual igual ou superior a cinco anos, pode fixar a prestação num valor resultante da aplicação de 70% da Euribor a 6 meses. Porém, note que neste caso terá de devolver o valor diferencial quatro anos depois, diluído pelo restante prazo do contrato; 
  • Bonificação temporária de juros: Bonificação calculada sobre o valor do indexante acima dos 3%, se tem rendimentos até ao 6.º escalão, sendo aplicada a 100% quando a taxa de esforço for igual ou superior a 50%, e em 75% quando a taxa de esforço for entre 35% e 50%, com um valor bonificado anual até 800 euros. 

No caso de querer ter acesso a uma prestação mensal mais baixa permanente, sem ter de devolver o valor mais à frente ou condições limitadoras, pode ponderar outras opções. O primeiro passo é comunicar ao seu banco que está insatisfeito com as condições atuais do crédito, para que possam começar por rever o contrato e renegociar. 

Se, após renegociação das condições, continuar insatisfeito: Procure as condições de que necessita noutros bancos. É possível fazer uma transferência do seu crédito para outro banco. Neste caso, vai notar uma poupança significativa se atualmente tiver um crédito habitação com uma taxa variável indexada à Euribor. 

Atualmente, existem bancos a praticar taxas fixas e mistas (a partir de 3%) a valores mais baixos que os da Euribor (por volta de 4%), além de oferecer mais segurança e estabilidade. 

Além disso, pode ainda ponderar a transferência do seu seguro de vida associado ao crédito: Se tiver o seguro contratado na seguradora parceira do banco, ao transferi-lo pode ter acesso a melhores condições e a um valor mais baixo. O que pode acontecer é o banco aumentar o seu valor de spread, mas, muitas vezes, o valor que poupa na prestação do seguro é muito mais significativo face ao que aumenta com a penalização do spread. 

Para analisar o seu caso específico, contrate um intermediário de crédito/mediador de seguros. Na Poupança no Minuto, disponibilizamos ambos os serviços de forma gratuita, rápida e personalizada. Contacte-nos para o ajudarmos a baixar as suas prestações! 

Newsletter

Subscribe to our newsletter and don't miss any content.



Real estate mortgage