Crédito habitação: Taxa de juro média anual fixa-se em 3,612% em 2023

Crédito habitação: Taxa de juro média anual fixa-se em 3,612% em 2023

Perceba os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) e saiba como baixar a sua prestação da casa. 

24 Jan 20243 min

Gostou do que leu? Partilhe!

Quer poupar com o seu crédito habitação? Os intermediários de crédito da Poupança no Minuto podem ajudá-lo. Contacte-nos para saber mais, ou perceba antes os dados em causa. 

INE divulga dados relativos a crédito habitação em dezembro de 2023 

Segundo dados divulgados pelo INE face a dezembro de 2023, citados pelo Notícias ao Minuto, a taxa de juro implícita do conjunto dos contratos de crédito habitação marcou-se em 4,593% em dezembro (o valor mais alto desde março de 2009). Além disso, esta traduziu-se numa subida de 6,9 pontos base (p.b.) comparando com novembro, que tinha ficado em 4,524%. 

Perante os contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro volta a descer pela segunda vez seguida, de 4,366% em novembro para 4,342% em dezembro. 

Sobre a prestação média, esta fixou-se em 400 euros no mês de dezembro, o que representa o valor mais alto desde janeiro de 2009. É também mais 4 euros do que novembro e mais 101 euros do que dezembro de 2022, representando um aumento mensal de 1,0%. 

Para ter uma noção mais clara: 61% foi o que representou a parcela de juros numa prestação média em dezembro. Contrastando com este valor, em dezembro de 2022 essa parcela correspondia a 33%. 

Sobre os contratos celebrados nos últimos 3 meses, pode constatar-se que o valor médio da prestação desceu 4 euros relativamente ao mês precedente. Esta baixou para 651 euros em dezembro, um aumento de 21,5% comparando dezembro de 2022. 

Ainda face a novembro, o capital médio em dívida para a totalidade dos créditos habitação aumentou 159 euros em dezembro, para 64.597 euros. 

E a taxa de juro média anual? Para o total do crédito habitação, o INE divulga um valor de 3,612% (sendo que tinha sido 1,084% no ano anterior). Isto traduz-se num aumento de 3.316 euros de capital médio em dívida e num aumento de 94 euros de prestação média mensal. 

Baixar a prestação da casa: É possível? Como? 

Sim, é possível baixar a prestação da casa mesmo com o aumento das taxas de juro. Se tem um crédito habitação com uma taxa variável e que tem sofrido face a estes aumentos, por estar indexado às taxas Euribor – saiba que há solução. 

Não está satisfeito face a esta instabilidade e variação das taxas, mais consequente variação da sua prestação mensal? Comunique-o ao seu banco. Podem apresentar-lhe novas condições, alterando inclusive o seu regime de taxa de juro, para misto ou fixo. 

Com estas opções, passa a ter acesso, no primeiro caso, a uma taxa inalterada num primeiro período, passando depois à taxa variável; e no segundo, a uma taxa fixa, inalterada, mantendo o mesmo valor até ao final do contrato de crédito. 

Caso o seu banco não lhe apresente estas soluções ou observe que não são benéficas face aos valores apresentados, pode tentar perceber junto de outros bancos se existem outras campanhas mais vantajosas para o seu caso. E, a partir daí, iniciar um processo de transferência da hipoteca para outro banco

Para todo este processo, pode recorrer a um intermediário de crédito, como os da Poupança no Minuto, que simplifica o processo: mediando toda a burocracia com os bancos, explicando-lhe tudo “por miúdos”, e aconselhando-o a optar pela proposta mais adequada a si! E o melhor? Não tem qualquer custo. Contacte-nos e fique a saber melhor o que podemos fazer por si. 

Newsletter

Assine a nossa newsletter e não perca nenhum conteúdo.



Crédito habitação