Crédito habitação com taxa variável: Quanto vai subir a prestação em janeiro?

Crédito habitação com taxa variável: Quanto vai subir a prestação em janeiro?

Com a revisão de janeiro aos créditos habitação com taxa variável indexada à Euribor, as prestações dos portugueses vão voltar a subir, mas é o aumento menos significativo desde 2022. Saiba os números em causa, e como, efetivamente, fazer com que a prestação baixe. 

10 Jan 20243 min

Gostou do que leu? Partilhe!

Quer uma descida da prestação, ao invés de um aumento pouco significativo? Os intermediários de crédito da Poupança no Minuto podem ter a solução para si... contacte-nos para mais informações. Ou leia os valores em causa na sua próxima prestação, face à inalteração das taxas Euribor. 

Crédito habitação revisto em janeiro com prestação a subir entre 5 e 58 euros 

As prestações de crédito habitação com taxa variável indexado à Euribor revistos agora em janeiro vão voltar a subir, entre 5 e 58 euros. 

De acordo com simulações da Deco/Dinheiro&Direitos, citadas pelo Notícias ao Minuto, ainda que volte a subir, este aumento é o menos acentuado desde 2022

“Um cliente com um empréstimo no valor de 150 mil euros, a 30 anos, indexado à Euribor a 12 meses e com um 'spread' (margem de lucro do banco) de 1%, vai pagar a partir de janeiro 776,06 euros, um acréscimo de 58,38 euros por comparação com os 717,68 euros que pagou neste último ano”, pode ler-se na notícia.  

Este agravamento contrapõe-se com o que ocorreu o mês passado, em contratos indexados à Euribor a 12 meses e com as mesmas características da simulação em causa, que correspondeu a um aumento de 105,92 euros. 

Depois, um contrato com as mesmas condições de financiamento acima, mas indexado à Euribor a seis meses, em janeiro passa a pagar mais 9,28 euros que em julho (última renovação), ou seja, 798,55 euros. 

E um contrato com as condições iguais, mas indexado à Euribor a três meses, sofre agora uma subida de 5,01 euros comparando com a última renovação, ficando a liquidar uma prestação mensal de 799,28 euros. 

Comparando com as renovações de dezembro, o agravamento das prestações nestes dois últimos casos é também menos significativo. 

De realçar que as simulações apresentadas têm por consideração as médias da Euribor a dezembro de 2023 (seis meses – 3,927%, seis meses – 3,935%, e 12 meses – 3,679%). 

Contextualizando, deve saber que as taxas Euribor sobem como consequência dos constantes aumentos das taxas de juro diretoras do Banco Central Europeu (BCE). Desde fevereiro de 2022 que as taxas têm vindo a subir mais significativamente, devido ao aumento da inflação na zona euro. 

Só recentemente, a 26 de outubro de 2023 o BCE tomou a decisão de manter as taxas inalteradas, o que voltou a acontecer na última reunião monetária a 14 de dezembro, depois de 10 aumentos consecutivos. 

Aumento da prestação abranda, mas podia estar a baixar  

Ainda que os aumentos das prestações de crédito habitação com taxa variável estejam a abrandar, existem opções que podem, ao invés disso, baixar

Porque não apostar em soluções que possam diminuir o valor que paga por mês pelo seu crédito hipotecário? Comparando com as taxas Euribor que rondam quase os 4% atualmente, existem bancos a fazer campanhas com taxas mistas que começam nos 2%. O que é ainda uma grande diferença e potencialmente significativa na prestação mensal. 

Mas como aceder a estas campanhas? Pode tentar renegociar as condições atuais do seu crédito junto do seu banco atual, mas, por norma, estas campanhas mais vantajosas referem-se a novas hipotecas. O que significa que pode (e deve) transferir o seu crédito para um novo banco, por forma a ter acesso a condições semelhantes. 

Ficou interessado nesta opção? Fale com um intermediário de crédito da Poupança no Minuto e saiba o que podemos fazer por si. Através de um serviço gratuito, mostramos-lhe quais as opções mais indicadas ao seu caso, e ajudamo-lo a decidir qual a solução mais adequada para si! 

Newsletter

Assine a nossa newsletter e não perca nenhum conteúdo.



Crédito habitação