5 dicas para um impacto positivo das finanças numa relação saudável

5 dicas para um impacto positivo das finanças numa relação saudável

Para um casal que more junto, é importante estar na mesma linha relativamente ao tema das finanças. Pode ser essencial para uma relação saudável, de acordo com os especialistas. Leia 5 dicas para que as finanças não interfiram no seu agregado familiar, em seguida. 

14 Mar 20243 min

Gostou do que leu? Partilhe!

Quer pagar menos pelos seus créditos e/ou seguros? Deixe com a Poupança no Minuto! Contacte-nos já ou fique a saber, primeiro, como tornar a sua relação financeiramente mais saudável, em seguida. 

Como tratar das finanças em conjunto para uma relação saudável? 

Especialistas do El Tiempo, citados pelo Notícias ao Minuto, explicam que a criação de uma conta conjunta para despesas familiares é o ideal, desde que mantenham contas pessoais para as despesas individuais de cada um. 

Por forma a equilibrar as contas, quando um casal vive junto é essencial estar em sintonia em relação ao tema das finanças, conversando honestamente, de forma aberta e transparente. 

Este pode ser um dos métodos que ajuda a manter uma relação saudável, de acordo com os peritos, principalmente quando se tem um objetivo comum (como a compra de uma casa). 

Não se falar abertamente sobre este tema pode provocar um desequilíbrio, bem como tensão e desconfiança entre o casal, prejudicando a relação. 

Então, os especialistas deixam 5 dicas para que as finanças e, por consequência, a relação seja mais saudável: 

Uma comunicação honesta, aberta e transparente 

“É preciso estabelecer um ambiente de confiança em que ambos consigam falar abertamente sobre o que ganham, gastam, dividas e metas financeiras. Recomenda-se que exista um espaço no tempo de ambos para que possam discutir estes assuntos e estabelecer os vossos objetivos conjuntos”, pode ler-se na notícia. 

Estabelecer o contributo que cada um deve dar 

“Embora se estabeleça maioritariamente que deve haver um contributo equitativo em cada um dos membros do casal, ou seja, que contribuam com o mesmo valor, para a assessora financeira Maggie Germano é mais honesto que o casal estabeleça uma regra em que cada um colabora com um valor que seja justo quanto àquilo que recebe.” 

"Há dinâmicas diferentes nos casais, mas é aconselhável que as contribuições para as despesas conjuntas sejam ajustadas aos rendimentos de cada um", deixa explícito a assessora Maggie, defendendo também que deve ser definido exatamente qual a percentagem de cada um.  

Devem ter conta conjunta, sem deixar as contas pessoais 

“Decidam em conjunto quais as despesas que serão pagas a partir de contas conjuntas e quais serão cobertas por contas individuais. Isto permite manter alguma autonomia financeira enquanto trabalha para atingir objetivos comuns.” 

É essencial terem um fundo de emergência  

“Certifique-se de que dispõe de um fundo de emergência adequado que possa cobrir, pelo menos, três a seis meses de despesas comuns. Este fundo proporcionará segurança financeira em caso de situações inesperadas, como a perda de emprego ou despesas médicas imprevistas.” 

Rever de forma regular o plano financeiro definido 

“Reúnam-se para rever de forma regular o plano financeiro definido, por forma a avaliar o seu progresso e fazer os ajustes necessários. A vida está em constante mudança e pode ser necessário ajustar o plano financeiro consoante a nova realidade.” 

Para reorganizar o orçamento mensal familiar e reduzir encargos, saiba que a Poupança no Minuto tem intermediários de crédito e mediadores de seguro que podem ajudar a renegociar os seus contratos, ou transferi-los, para que baixe as suas prestações mensais. Tudo isto sem custos! Contacte-nos e saiba como o podemos ajudar aqui. 

Newsletter

Assine a nossa newsletter e não perca nenhum conteúdo.



Crédito habitação