Crédito habitação: Transferir seguro de vida pode ajudar a baixar a prestação?

Crédito habitação: Transferir seguro de vida pode ajudar a baixar a prestação?

Já deve estar a par de que é possível fazer uma transferência do seu crédito habitação para outro banco. Mas sabia que pode também transferir o seu seguro de vida hipotecário para uma nova seguradora? E a poupança pode ser significativa, conseguindo também melhores condições. É verdade, fique a perceber melhor em seguida. 

20 Oct 20235 min

Gostou do que leu? Partilhe!

Quer avançar com a transferência do seu seguro de vida hipotecário? Contacte a mediadora de seguros Poupança no Minuto para pedir propostas a várias seguradoras e o ajudar a escolher a solução de seguro certa para si. Ou leia, primeiro, o impacto positivo que esta transferência pode ter no seu orçamento. 

No crédito habitação, é exigido que contrate seguro de vida 

No momento de contratar um crédito habitação, é-lhe exigido que contrate um seguro de vida. No entanto, deve saber que, por lei, este não é um produto obrigatório. Mas também não é possível contratar o crédito habitação sem o seguro de vida, uma vez que os bancos se recusam a emprestar-lhe dinheiro para uma casa, se não estiver protegido com este seguro. 

Então, este seguro é exigido e não obrigatório. Isto porque os bancos precisam de uma garantia caso os mutuários entrem em incumprimento com o crédito. Por isso, no caso de acidente ou doença que incapacite o segurado de ganhar rendimentos e devolver o empréstimo, a seguradora assume essa responsabilidade. 

Ao contratar um seguro de vida, , se acionar uma das coberturas ITA - Indemnização por incapacidade temporária absoluta -, a seguradora paga a indemnização de capital seguro ao mesmo que o permite cumprir com a liquidação do crédito habitação, ficando o mesmo e respetiva família livre desse encargo. 

Por lei, não é obrigatória a contratação na seguradora do banco 

Além disso, também não é obrigatório que contrate o seguro de vida do crédito habitação na seguradora associada ao banco. Por lei, pode procurar propostas diferentes e avançar com a subscrição do seguro noutra companhia de seguros. 

Para que contrate na seguradora associada, os bancos podem propor-lhe condições melhores (teoricamente), como uma bonificação no spread do crédito. Porém, deve saber que pode não compensar face à poupança que é possível conseguir com o seguro contratado noutra seguradora. 

De acordo com a lei, pode procurar a solução de seguro que mais se adeque a si, de acordo com estilo de vida, preferências e necessidades. E pode até conseguir um seguro mais barato, e com melhores condições, noutra companhia que não a do banco. 

Então, deve sempre procurar várias propostas e comparar com a simulação do banco (mesmo com penalização no spread), para perceber qual compensa

Distinga as coberturas ITP e IAD 

Ao contratar um seguro de vida, deve primeiro estar a par das coberturas a que pode aceder, para perceber também do que necessita. As mais comuns, além da cobertura morte, são as coberturas Invalidez Total e Permanente (ITP) e Invalidez Absoluta e Definitiva (IAD)

Então, fique a saber o que significam ambas as coberturas, antes de avançarmos para um exemplo prático. 

ITP – Invalidez Total e Permanente 

No seguro de vida, a Invalidez Total e Permanente (ITP) representa uma cobertura que pode ser acionada se o segurado detiver um grau de incapacidade igual ou superior a 66%, por consequência de doença ou acidente. 

Esta invalidez impede o segurado de manter a sua atividade profissional e continuar a ganhar rendimentos para cobrir os seus encargos. Pelo que, com esta cobertura ativa, a seguradora assume a responsabilidade de pagar o capital seguro acordado no contrato. 

IAD – Invalidez Absoluta e Definitiva 

Uma cobertura de Invalidez Absoluta e Definitiva equivale a uma incapacidade igual ou superior a 80%, como consequência de doença ou acidente.  

Neste caso, a invalidez corresponde ao “estado vegetativo”, e o segurado fica dependente de terceiros para as necessidades vitais.  

Ativando a cobertura IAD, passa a ter acesso ao valor de indemnização acordado com a seguradora, para que possa ter uma vida financeiramente confortável, uma vez que fica impedido de ganhar rendimentos. 

Neste sentido, podemos afirmar que a cobertura ITP é mais abrangente que a cobertura IAD, pois cobre uma incapacidade menor e mais comum. 

Na prática, qual o impacto da transferência do seguro? 

Com um exemplo prático, talvez compreenda melhor o possível impacto que pode ter na carteira, uma transferência do seu seguro de vida associado ao crédito habitação. Isto, principalmente, nos casos em que o seguro foi feito em detrimento do crédito na seguradora do banco.  

Este é o caso de um casal, com 41 e 35 anos, que recorreu aos serviços de mediação de seguros da Poupança no Minuto, para transferir o seu seguro de vida hipotecário. 

O casal tinha um crédito habitação no valor de 144.000 euros em dívida, com seguro contratado na seguradora associada ao banco, e uma cobertura de Invalidez Absoluta e Definitiva (IAD), pagando uma prestação mensal de 137,80 euros por mês e 1.653,64 euros por ano. De realçar que este casal não assumia patologias clínicas, profissões de risco, doenças pré-existentes ou agravamentos que pudessem ocorrer.  

Então, ao transferir o seguro de vida para uma nova seguradora, com cobertura de Invalidez Total e Permanente (ITP), este casal conseguiu uma proposta em que passou a pagar uma prestação mensal de 22,26 euros, 267,12 euros por ano, sendo que atingiu uma cobertura ainda maior. 

Note, então, que: O casal ganhou apenas benefícios com a transferência do seu seguro de vida, tendo em conta o aumento da cobertura, e a poupança atingida. Por mês, o casal ficou a poupar 115,54 euros, o que gera uma poupança anual equivalente a 1386,52 euros

Quer analisar o seu caso? A Poupança no Minuto trata de tudo! Contacte-nos e fique a perceber se consegue uma solução de seguro de vida mais barata e melhor para si. 

Newsletter

Assine a nossa newsletter e não perca nenhum conteúdo.



Seguros