Dois em cada 10 portugueses poupam para comprar casa

Dois em cada 10 portugueses poupam para comprar casa

Atualmente, apenas dois em cada 10 portugueses poupam com a finalidade de comprar uma casa. Do mesmo estudo, conclui-se que dois terços dos portugueses estão a poupar menos de 10% do salário. Estes são dados revelados pela Boston Consulting Group, que revelam as consequências das dificuldades financeiras que atravessamos. Conheça todos os dados, e quanto devemos, exatamente, poupar para comprar casa, neste artigo. 

30 Nov 20235 min

Gostou do que leu? Partilhe!

Comprar casa? É connosco! Disponibilizamos serviços que o podem ajudar ao longo de todo o processo de compra e contratação de crédito habitação: Contacte a agência imobiliária Casa no Minuto e intermediário de crédito Poupança no Minuto para mais informações. Ou perceba primeiro os dados revelados, em seguida. 

Dois terços dos portugueses poupam menos de 10% do salário 

Não há dúvida de que o poder de compra dos portugueses tem diminuído, neste contexto inflacionista e de subida das taxas de juro. O que tem levado à conclusão de que são poucos os que têm conseguido poupar mais de 10% dos seus rendimentos

O estudo é realizado pela Boston Consulting Group, intitula-se de “Consumer Sentiment Survey 2023” e revela as seguintes conclusões, as quais se podem ler em partilha do Notícias ao Minuto

  • Dois terços dos portugueses poupam menos de 10% do salário; 
  • 4/10 inquiridos não conseguem reservar nem 5% dos rendimentos depois da dedução de impostos; 
  • 16% poupa entre 10% e 20% do seu salário líquido, 10% poupa entre 20% a 30%, e apenas 2% poupa mais de metade do que recebe; 
  • O rendimento disponível dos portugueses após despesas situou-se nos 7,5% no 1.º trimestre de 2023 (menos 6,7% que a média da Zona Euro, de 14,2%); 

Os motivos prendem-se, claro, pelo contexto que temos atravessado de “inflação, subida das taxas de juro e não acompanhamento dos salários”. Contexto que leva a um menor poder de compra, mas também “diminuição da taxa de poupança e de investimento”, pode ler-se na publicação do Notícias ao Minuto. 

Estas circunstâncias refletem-se, maioritariamente, nos hábitos de consumo, pois foram 64% os portugueses que responderam sentir “um aumento acentuado do peso da alimentação, 44% do veículo pessoal, 42% da renda da habitação, 36% da farmácia, 17% da saúde e 16% com os animais de estimação”. 

Além disso, ao conseguirem poupar, são 64% os portugueses que “destinam essa fração dos rendimentos para cobrir potenciais imprevistos”, 36% os portugueses que utilizam a poupança para “acumular para a reforma”, 30% os direcionam a poupança para viajar, 11% para comprar um carro e 10% para outros bens de consumo. 

Por fim – mas nada menos importante – dois em cada 10 portugueses responderam estar a poupar para comprar uma casa. Ora, mas quanto precisa de poupar para uma casa atualmente? 

Quero comprar uma casa: Quanto preciso de poupar? 

Para comprar uma casa atualmente, precisa de poupar um valor significativo, mesmo que opte por crédito habitação. Vejamos quanto. 

Ao comprar uma casa através de financiamento, precisa de considerar que: os bancos, hoje em dia, não emprestam 100% do valor do imóvel. Em caso de habitação própria e permanente, emprestam um máximo de 90% do valor do imóvel, e em caso de habitação secundária, 80% do valor. Isto sobre o valor mais baixo entre o valor de aquisição ou o valor de avaliação do imóvel. 

O que significa que, se a casa que quer comprar, para habitação própria e permanente, tiver um valor de aquisição de 230.000 euros e um valor de avaliação de 250.000 euros, vai precisar de ter disponível um capital de 23.000 euros (10% do valor mais baixo, neste caso, o de aquisição). 

Além disso, ainda precisa de contabilizar para estes capitais próprios iniciais, o valor dos impostos que vai ter de pagar: 

  • O Imposto de Selo, que corresponde a 0,8% do valor de aquisição do imóvel; 
  • O Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis (IMT), que é aplicado sobre o valor mais alto do imóvel, entre o de aquisição e o Valor Patrimonial Tributário (VPT), identificado na caderneta predial da casa; o seu valor depende da taxa aplicada, de 1% a 8%, da localização e respetiva finalidade do imóvel; note que pode ainda estar isento de IMT, se o imóvel para habitação própria e permanente não seja de valor superior a 97.064 euros no Continente e 121.330 euros na Região Autónoma da Madeira ou dos Açores. 

Por fim, quanto aos custos iniciais de contratar casa com crédito habitação, tenha ainda em conta as despesas de processo do banco. Está sujeito a comissões bancárias, como de avaliação, de abertura e estudo de processo, de formalização e registo mútuo com hipoteca. O custo total pode variar entre 500 e 1.300 euros, sendo que o valor do registo na Casa Pronta é de 700 euros. 

Então, estas são as despesas que pesam na carteira ao comprar casa e as quais vai ter de poupar antes de iniciar o processo. Quanto a isso, deve saber que, se contratar ajuda para o acompanhar, além de um processo mais simples, pode conseguir a proposta de financiamento mais barata. 

Se recorre a uma agência imobiliária para o ajudar com a sua casa de sonho, porque não recorrer a um intermediário de crédito para o ajudar com o seu crédito ideal? E o melhor... connosco pode ter acesso aos dois serviços

No caso de estar de poupanças prontas para comprar a sua casa, contacte a agência imobiliária Casa no Minuto que o ajuda a encontrar o imóvel que procura, e os intermediários de crédito da Poupança no Minuto que, de forma gratuita, simulam o seu financiamento em vários bancos e o ajudam a escolher as melhores (e mais baratas) condições de crédito para si! 

Newsletter

Assine a nossa newsletter e não perca nenhum conteúdo.



Simuladores